A influencia do Split Horizon em subinterfaces multiponto em ambientes Frame Relay com EIGRP

Split Horizon é uma configuração que impede num ambiente de roteamento a existência de loops. Pode-se entender facilmente isto como num ambiente ponto a ponto entre 2 roteadores A e B. Se atrás do roteador B for posicionado um outro roteador C entao o Split Horizon diz que uma rota que o roteador B aprendeu do roteador C  nao pode novamente ser difundida pelo roteador B na mesma interface em que ele aprendeu do roteador C.

Isso tem muita importância dado que impede que pacotes fiquem roteando entre os roteadores B e C situacao esta conhecida como loop de roteamento.

Frame Relay é um protocolo WAN de comutação de pacotes que funciona nas camadas 1 e 2 do modelo OSI, geralmente usado para estabelecer links permanentes virtuais (PVCs) entre redes locais e redes WAN por meio de encapsulamento.

O EIGRP já foi aqui falado. É um protocolo de roteamento.

O frame relay possui 2 configurações muito usadas nas subinterfaces. ponto a ponto e ponto a multiponto, sendo que cada uma delas possui a sua utilidade que nao nos adiante referir aqui.

Por exemplo na configuracao ponto a multiponto (ou multiponto) abaixo:

Repare que foi alocado um /29 as 3 subinterfaces, suficiente para endereçar e ainda aumentar mais 3 subinterfaces. Em tempo t1 os roteadores B1 e B2 estabelecerão relações de vizinhança com o roteador WAN1 (subinterface s0/0/0.9). Mas, o que dizer de relações de vizinhança entre B1 e B2? Elas não são estabelecidas em tempo t1, porque não existe um PVC entre os roteadores B1 e B2. Em tempo t2 o roteador WAN1 recebe rotas do roteador B1, bem como o o roteador B2 anuncia as suas rotas para WAN1. Em tempo t3 WAN1 (subinterface s0/0/0.9) anuncia as rotas aprendidas de B1 e B2 a B2 e B1.

So que isto não acontece!!! E porque não acontece? Por causa do Split Horizon. O facto de WAN1 aprender uma rota de B1 pela subinterface s0/0/0.9 impede que a mesma seja difundida a B2 porque o Split Horizon diz que uma rota aprendida por uma interface numa direcção não pode voltar a ser difundida por esta interface na direcção oposta. Como a configuração multiponto em WAN1 é mesmo só com uma subinterface isso cria problemas.

Para resolver este problema, desabilite o split horizon na subinterface multiponto s0/0/0.9. Note que é uma opcao default. O seguinte comando no modo subinterface:

>no ip split-horizon eigrp asn

Internet restabelecida em Luanda?

Houve entre ontem e hoje um soluçar do acesso a Internet em alguns provedores de Luanda. Parece que o problema está em mais um corte do cabo submarino SAT3, por uma qualquer ‘empresa de escavação’, não tenho bem infos. Certo é que apenas hoje a partir do meio-dia começou-se a sentir o restabelecer parcial. O provedor que eu uso tinha ainda problemas em aceder sites que usam certificados (HTTPS). Cheguei a pensar que era um problema de NTP dos meus dispositivos. Ajustei e verifiquei e conclui que não tinha nada que ver comigo. Talvez alguns dos servidores NTP ou configurações nos roteadores, ou roteadores estivessem abaixo. O certo é que ja a partir do fim da tarde que vos falo a situação parece ter voltado a normalidade.

Nao é fácil ser provedor em Angola. Também não é fácil ser técnico de Fibras Ópticas em Angola, pelo menos em termos de trabalho, porque em horas extras é suposto haver muitas e desta forma o bolso enche mais, LOL.

Mapas de rota

Imagine que você tenha 2 links WAN a providenciar acesso a Internet a sua rede. Não pensando em politicas de tráfego, QoS etc, você poderia optar por digamos providenciar um link (o melhor) para os departamentos principais (directoria, gestão etc) e outro para os demais (o ‘povo’). No caso de um desses cair então todos os departamentos passam a usar o mesmo link.

Uma das soluções para conseguir isso são os mapas de rota (route maps) disponíveis no Cisco IOS. Ela geralmente é considerada uma ferramenta ainda mais poderosa que as ACLs e é muito normal vermos a sua utilização em ambientes com NAT.

Essa matéria é bastante explicativa.

IPv6: O Multicast e o problema da conformaçao dos dispositivos

O protocolo IPv6 está mesmo aqui as portas. Negar tal facto é fugir a realidade. Certo que o IPv4 continuará a ser utilizado, principalmente em redes internas. Seria bom contudo que mesmo ali fossem promovidas alterações de modo a não apanhar ninguém de surpresa, quando os provedores começarem a atribuir endereços IPv6 Global Unicast aos particulares.

Por falar nisso, como ficarão muito dos dispositivos que usam IPv4 Broadcast, como em redes de TV e Net por cabo, por exemplo? A solução para a conformação dos padrões pode ser uma das seguintes: Actualização do software do fabricante pelo provedor, ou substituição do hardware no caso em que não seja possível actualizar.

Como sabemos o protocolo IP pertence a camada de transporte do modelo OSI. Na sua versão 6 (IPv6) o Broadcast (difusão) foi eliminado sendo substituído por Multicast que também em abono da verdade existe na versão 4, mas não como na versão 6. Na versão 6 são definidos uma serie de endereços Multicast para as mais diversas aplicações em rede e podem ser consultados no site da IANA. Os seguintes endereços de Multicast são muito comuns em redes IP:

A segmentação por meio de endereços Multicast traz vantagens a rede como por exemplo evitar sobrecarga. Por exemplo na tabela acima o endereço IPv6 Multicast FF02::2 como endereço de destino serve apenas para todos os roteadores no link. Se o roteador quiser responder ele usa o endereço de Broadcast FF02::1. É tão simples quanto isso.

Obviamente muitos dispositivos continuarão a usar Broadcast e consequentemente muitas redes também, mas nao tarda com as actualizações e tudo o resto o cenário irá mudar de tal forma que os problemas envolvendo Broadcast sejam totalmente derimidos.

Entendendo o IPv6 (I) (SNNAngola IPv6 Series)

Esta é a primeira duma serie de apresentações que serão produzidas com o objectivo de ajudar a entender o protocolo IPv6. Espero que seja o mais entendedor possível.

O download do documento pode ser realizado aqui: Entendendo o IPv6

As ‘the best 2010’ 150 apps disponiveis para usuarios Windows

Não sou muito de usar diversos aplicativos. Faz-me confusão. Tem quem gosta de usar quase tudo o que encontra. Para estes vai uma lista super interessante de 150 aplicativos muito bons somente para usuarios Windows. Eu pessoalmente gostei de alguns softwares desta lista como o Disk Pulse, que quando bem usado, pode ser útil para controlar movimentos de malwares.