Como motivar o aluno nas disciplinas introdutórias da área de programação?

Vários cursos, das mais variadas áreas do conhecimento, possuem em sua estrutura curricular a disciplina de lógica de programação, na qual esta trabalha, basicamente, com o ensino de algoritmos e linguagens de programação. Na maioria das universidades, centros universitários e faculdades isoladas o ensino, direcionado pela disciplina em questão, está focado predominantemente no paradigma estruturado aliado a utilização de linguagens procedurais como C e Pascal. Um fato chama a atenção nestas disciplinas: A QUANTIDADE DE REPROVAS OU DESISTÊNCIAS. Os dados apresentados a seguir comprovam minha afirmação:

Mais

A realidade mundial sobre o ensino da programação. Que futuro para os programadores do amanha?

Este artigo (tradução em espanhol) vem lançar algumas questoes interessantes sobre o rumo nao menos claro que tem enfrentado o ensino da programação a nivel mundial.
O artigo cita como exemplo o facto de que muitas universidades cometem o erro de iniciar seus estudantes em programaçao com a linguagem java o que é um erro (em parte por causa do enfoque dado a ‘receitas de bolo’ como pacotes e classes prontinhas de plantao). Cita o pouco enfoque que se dá a matematica e a logica para desenvolver raciocinio na programação, e cita rasgos elogios ao aprendizado do C, C++ e depois do JAVA, rendendo ainda boas refrencias a linguagens poderosas como LISP (voce sabia que o primeiro gerenciador de fotos do yahoo foi criado em LISP?) e Ada (Usado pelas agencias militares americanas) que infelizmente passam ao lado em muitas universidades.

Até hoje teho dado graças de ter aprendido C na minha vida. C para mim é uma especie de paixao, um CABOKO que te dá as bases para aprender nao so linguagens orientadas a objectos, mas também alcançar segmentos como WebServices e programação para multimedia, que o proprio C mesmo sendo um velho com barba continua a inovar e a suportar em si. Com C voce pode até perder tempo a programar uma função, mas também voce ganha muita experiencia e praticidade com isso. Eu mesmo fiquei admirado quando vi um portais web programados em C alguns anos atrás, e é uma maravilha quando bem programado (problemas de exploitação de memoria) tenha certeza. Linguagem C e até meus colegas concordam com isso endireitam o pensamento logico de quem tem vontade de aprender.

8 razões para migrar de asp para asp.net

    Não tem sido fácil o trabalho de migração de aplicativos de asp, para asp.net, e digo isso porque eu ‘sinto-o’.  Ainda não são muitas (são alguns milhares) as aplicações principalmente apps independentes criadas segundo as necessidades de cada cliente. Com asp era apenas ler durante 2 dias escrever no 2º dia, pegar um componentes se necessário, testar a base de dados, e coloca-lo a correr.
Com asp.net é um “bocadinho” diferente, ‘monsieur and madame’ porque dentro de uma pagina asp.net existe código em hipertexto e em alto nível, o que significa que você vai ter de dominar vb.net ou C# (eu uso  C#).

E dia surge outro problema: VB.Net não é VB 6.0, ou seja são  coisas totalmente diferentes, VB.Net não é aquela confusão de linguagem  imatura de criança como era VB 6.0 (eu nunca gostei de VB), o que  permitia com razão aos programadores de Java se gabarem da sua  linguagem, ela virou uma linguagem com todos os recursos de OOP, uma  maravilha embora eu mesmo prefira a <<versatilidade>> de C#, que me dá  uma sintaxe muito próxima a Java e C++, mas com alguns pequenitos  recursos a mais como é o caso das ‘Jagged arrays’.

Tenho usado  propositadamente asp.net e C# na criação e aprimoramento do meu CMS oardina  que já vai rodando em alguns sites (matéria para edições a frente), e sinceramente tenho me surpreendido com a rapidez de  desenvolvimento adoptado, por isso aqui vão alguns motivos para migrar  de asp simples para asp.net:

(1) Separação do código hipertexto do de alto nível.

(2) Quase dispensa o uso de componentes de terceiros(ex: upload, smtp, pop3).

(3) Suporta por defeitos diversas funcionalidades necessárias ao  programador(grelha de dados, repetidor, lista de dados, etc).

(4) Suporte a todos os recursos de OOP, sem excessão.

(5) Segurança por defeito (suporte ‘like’ a encriptação e HASH  com SALT, prevenção de inserção de
código malicioso através de requisições, etc)

(6) Fácil criação e consumo Web Services

(7) Suporte nativo a XML

(8) Suporte nativo a todos motores de base de dados

Existem claro, muitas outras funcionalidades e propriedades que  fazem de asp.net ‘ouro sobre azul’, evidente que para isso é necessário dar um pouco no duro, mas vale a pena o esforço, tente e não se  arrependerá.