Bill Gates é contra o software livre

Ele é uma das pessoas para quem simples frases podem ter um efeito multiplicado, simplesmente devido ao seu status. Neste caso, quando o fundador da Microsoft resolve explicar publicamente porque ele decididamente se opõe aos softwares livres e a licença GPL, mesmo dentro de um discurso que não tem nada a ver, a novidade de qualquer modo faz um grande barulho.

E foi durante um discurso diante de profissionais da indústria farmacêutica, em Seattle nos EUA, que Bill Gates explicou a sua oposição ao software livre.

“Existe esta coisa chamada GPL, com a qual não estamos de acordo”, explicou o santo patrono da Microsoft. Segundo ele, esta licença é feita “de tal maneira que uma pessoa realmente não pode melhorar um software”. Ele também explicou que o modelo econômico utilizado com a licença GPL, geralmente a gratuidade total, não é viável e realmente não permite a construção de projetos sérios.

Este discurso não chega a ser uma surpresa dentro da boca de Bill Gates e até mesmo pela sua posição de fundador da Microsoft. De fato, a Microsoft tem multiplicado suas parcerias e promovido outras ações a favor do software livre, principalmente com Linux. Além disso, Bill Gates, que deverá deixar suas funções neste verão (hemisfério norte), não é conhecido por sua virulência em relação a concorrência, pois normalmente quem desempenha este papel é Steve Ballmer, o CEO da Microsoft.

Fonte: Forumpcs

Anúncios

Governo de Angola rubrica acordo com a Microsoft

Angola passou, a partir de agora a dispor de uma licença única sobre os produtos da Microsoft, no âmbito de um acordo estratégico firmado, segunda-feira última, em Ouagadougo (Burkina Faso), entre o Governo angolano e aquela multinacional norte-americana.
O acordo rubricado pelo vice ministro da Ciência e Tecnologia, Pedro Teta e por Steve Ballmer, presidente da Microsoft Corporation, à margem do Fórum Africano das Melhores Práticas de Governação Electrónica, que encerrou ontem naquele país, permite desde já a uma redução dos custos na compra de equipamentos produzidos por aquela empresa.
Durante a cerimónia, Steve Ballmer anunciou a abertura de um escritório da Microsoft Corporation em Angola, que representará todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (Palop).
O anúncio da abertura do escritório da Microsoft em Angola, foi recebido pelo vice-ministro da Ciência e Tecnologia com muita satisfação, na medida em que, será o centro dos negócios daquela grande empresa no seio dos PALOP, como também será a primeira multinacional norte-americana a abrir escritórios em Angola, no sector das Tecnologias de Informação.
Foi também anunciada a futura a introdução do português angolano no dicionário de Português da Microsoft.

Presenciaram a cerimónia de assinatura do acordo Ali Faramawy, vice-presidente da Microsoft International e Cheick Modibo Diarra, presidente da Microsoft África.

Fonte: Jornal de Angola.

Resultados do Yahoo não mudarão oferta da Microsoft–Ballmer

SKHIRAT, Marrocos (Reuters) – O balanço do Yahoo, a ser divulgado no final desta terça-feira, não irá afetar a avaliação da empresa feita pela Microsoft, que fez um proposta de compra pelo gigante da Internet no valor de 44,6 bilhões de dólares, segundo afirmou o presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer.

“Acreditamos que podemos acelerar nossa estratégia comprando o Yahoo e pagaremos o que faz mais sentido para nossos acionistas”, apontou Ballmer.

“Desejo ao Yahoo todo sucesso com seu balanço, mas ele não muda nossa avaliação da empresa”.

Analistas têm afirmado que a Microsoft pode ser pressionada a elevar sua oferta pelo Yahoo caso os resultados trimestrais deste venham acima do esperado.

Ballmer falou durante lançamento no Marrocos do portal da Microsoft na África do Sul, o MSN Maghreb.

Fonte: Yahoo

Presidente da Microsoft faz piada sobre proposta por Yahoo

SEATTLE (Reuters) – O presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, pode estar se arrependendo da tentativa de compra do Yahoo, após fazer uma oferta não solicitada de 42,3 bilhões de dólares para a compra da empresa.

Falando a um grupo de aproximadamente 2,000 entusiastas da Microsoft em uma conferência de tecnologia em Seattle, Ballmer perguntou quantas pessoas usam o Yahoo como seu mecanismo de busca favorito.

Apenas algumas pessoas levantaram as mãos –menos pessoas dos que levantaram para o mecanismo de busca Windows Live. A maioria esmagadora levantou as mãos para o Google, que a Microsoft busca desafiar como uma fonte de influência de publicidade online.

Depois da resposta morna para o mecanismo de busca do Yahoo, Ballmer disse brincando: “Uau! Nós oferecemos 31 mangos (dólares) por ação”.

Yahoo e Microsoft, que estão respectivamente em segundo e terceiro entre os mecanismos de busca, estão em um impasse. A Microsoft diz que o preço de 31 dólares por ação é justo, enquanto o Yahoo diz que a oferta subvaloriza a companhia significativamente.

Fonte: Yahoo

MIX 08: Presidente da Microsoft diz que meta é alcançar o Google

LAS VEGAS (Reuters) – O presidente-executivo da Microsoft, Steven Ballmer, prometeu na quinta-feira que sua empresa ganharia mercado diante do Google na publicidade online e nas buscas na Web, mesmo que isso seja “a última coisa que ele faça” no comando do grupo.

Falando na conferência de tecnologia online MIX08 da Microsoft, em Las Vegas, Ballmer reiterou suas justificações para a oferta não solicitada, no valor de 41,2 bilhões de dólares, que sua empresa apresentou pelo Yahoo, afirmando que a transação poderia acelerar seus esforços para montar uma forte concorrência ao Google.

“Pode ser que seja a última coisa que eu faça na Microsoft, mas chegaremos lá, e vamos trabalhar sempre para ganhar mercado”, disse Ballmer durante uma animada conversa com Guy Kawasaki, um executivo de capital para empreendimentos que foi um dos primeiros funcionários da Apple .

“No mercado online é só Google, Google, Google, mas estamos no jogo. Somos aquele cara pequeno mas persistente que ganha vindo de trás”, brincou Ballmer, cuja empresa é a maior produtora de software do mundo.

Na longa conversa com Kawasaki, o executivo rebateu críticas ao Windows Vista, deu alguma sutis indiretas contra a Até reproduziu uma infame dança que lhe valeu notoriedade no mundo do vídeo online e lhe garantiu o nada lisonjeiro apelido de “Monkey Boy” em certos círculos da Internet.

Mas ele não disse muito sobre a oferta da empresa pelo Yahoo. A Microsoft propôs adquirir o Yahoo por 31 dólares por ação, em dinheiro e ações. O conselho do Yahoo rejeitou essa oferta, dizendo que ela subestimava o valor da companhia.

“Fizemos a oferta, e ela está lá, cara”, disse Ballmer. Originalmente, a proposta valia 44,6 bilhões de dólares, mas a queda das ações da Microsoft resultou em queda no valor.

O presidente da Microsoft afirmou que, caso a transação seja concretizada, as duas empresas terão de reduzir as áreas em que existe sobreposição.

“Não deveríamos ter tudo duplicado. Não faria sentido ter dois serviços de busca, dois serviços de publicidade, dois serviços de e-mail; é algo que teremos de resolver”, disse Ballmer.

Fonte: Yahoo