NAT (Network Address Translation) IV

Na 3ª parte deste artigo vimos o processo de encaminhamento e recepção de pacotes numa rede habilitada com NAT. Uma tecnica como NAT suporta sobrecarga de endereços onde um unico endereço inside global suporta todo o processo NAT. Na realidade esta é a tecnica mais utilizada na prática já que os endereços publicos sao caros e definir uma pool de endereços publicos numa pequena ou média organização sairia dispendioso.

Como isto funciona? Repare na figura abaixo:

É definido um unico endereço inside global. Quando o host 10.1.1.2 deseja enviar um pacote para o endereço outside global 192.168.0.1 o roteador consulta a sua tabela NAT e realiza a tradução. Como apenas existe um endereço inside global o roteador retira o endereço inside local 10.1.1.2 do cabeçalho e adiciona ao cabeçalho o endereço de origem inside global 172.16.0.1. Mas antes a tabela NAT é adicionada uma tradução como listada acima: Para diferenciar os endereços dos hosts inside local 10.1.1.2 e 10.1.1.3 com um unico endereço inside global 172.16.0.1 sao atribuidas portas.

No caso dos endereços inside local o numero de portas começa a partir de 1024.

Como se pode observar na tabela acima o endereço inside local 10.1.1.2:1723 é associado ao endereço inside global 172.16.0.1:1723.

Conforme ia dizendo assim que o cabeçalho é encaminhado ao destino 192.168.0.1:23 nenhuma informação a respeito do endereço inside local existe no cabeçalho ip. Quando o endereço inside global 192.168.0.1:23 (o destino) responde ao host 10.1.1.2 como o roteador consegue associar o pacote recebido do destino com o host 10.1.1.2 já que a informação sobre o host 10.1.1.2 foi removida do cabeçalho e este cabeçalho apenas possui informação sobre o endereço inside global 172.16.0.1 (endereço de origem)?

Simples! Quando o pacote chega a interface serial do roteador o mesmo consulta a sua tabela NAT e  associa o endereço inside global 172.16.0.1:1723 ao endereço inside local 10.1.1.2:1723 encaminhado o pacote ao seu destino.

Baixe o Packet Tracer 5.3 Beta

Sinceramente, tinha de postar isto aqui. O Packet Tracer começa a ser uma verdadeira ferramenta de simulação deredes com o lançamento da versao 5.3 beta (ainda nao disponivel oficialmente a versão oficial para alunos da netacademy)

Nesta versão é possivel simular redes wireless, voip, bgp, QoS etc.

Maiores informações e download na pagina do pessoal do blog.ccna.com.br

EIGRP: Métricas, AD, FD e Feasible Sucessor

O EIGRP é um protocolo de roteamento que combina caracteristicas de vetor distancia com link state, portanto é um protocolo híbrido com uma distancia administrativa de 90. O EIGRP usa diversas metricas para determinar o melhor caminho até ao destino tais como a largura de banda e o delay sendo nao recomendado o uso de outras metricas para além destas duas.

O processo de selecção de rotas no EIGRP passa por meio de 3 tabelas:

A tabela de vizinhanças que contem informações de todos os vizinhos conectados ao roteador, a tabela de topologia que contem informações detalhadas da rede (uma visao geral) e armazena informações sobre a AD (Advertised Distance) metrica informada pelo roteador vizinho para alcançar a rede destino e a FD (Feasible Distance) ou Sucessor route, metrica usada pelo roteador em analise para alcançar o roteador vizinho mais a AD.

Com essas informações em posse o roteador está em capacidade de determinar qual a melhor rota para um determinado pacote e essa rota é baseada sempre na menor metrica da tabela de topologia.  Escolhida esta metrica na tabela de topologia (a menor FD) a sua rota é entao adicionada a tabela de roteamento. Depois de escolhida a FD o roteador trata de escolher a Feasible sucessor, caso a sucessor route falhe por algum motivo. Uma rota só poderá ser Feasible Sucessor se for menor que a FD da sucessor route.

Se o roteador notar que a rota sucessora falhou ele verifica se existe uma Feasible Sucessor e entao substitui a Sucessor route pela Feasible sucessor. Se não exisitir, entao a rede entra num processo de recomputação de rotas para se determinar a melhor metrica, como já explanado acima.

Na figura abaixo o roteador one pretende alcançar a network a. Como o fará visto que existem 2 rotas possiveis? Despreza-se aqui, o balanceamento de carga.

O roteador one calcula a menor FD (o processo de calculo é aqui desprezado) ou sucessor route dos dois roteadores: o three e o four. o three e o four anunciam as suas metricas (AD) para o one como sendo 307200. Por isso, Considera-se b como a AD entre os roteadores three e four e d como o delay. Suponhamos que depois de calculadas as metricas a FD entre o roteador one e o roteador four seja 46277376 e a FD entre o rotedor one e o rotedor three seja 20307200.

Como 20307200 é menor que 46277376 então a rota entre one e three é escolhido como a sucessor route e a rota entre one e four é escolhida como a feasible sucessor route apenas porque a sua AD é menor que a FD actual.

Se o link entre one e three falhar, nao existirá um processo de recomputação, mas a feasible sucessor route passará a ser a sucessor route.

ZAP a nova provedora de televisao Angolana. Primeira em High Definition (HD)

A oferta, que será distribuída através do satélite W7 da Eutelsat, vai incluir um “pacote Max”, composto por 50 canais, e um “pacote Premium”, de 80 canais, que incluirão séries, filmes, novelas, música, programação infantil e desportiva, informação, documentários e programas generalistas.

Com um investimento inicial de 4,5 milhões de dólares (3,3 milhões de  euros), a ZAP vai iniciar o serviço ‘em breve’, segundo o seu director executivo,  Nuno Aguiar, que não quis, no entanto, comprometer com uma data.

De acordo com a agência Lusa, a nova televisão surge com a intenção de chegar a todos os cantos de  Angola e, no futuro, aos mercados vizinhos da África Austral, já que o satélite escolhido para as emissões tem cobertura abrangente, apontou Nuno Aguiar.

fonte: cmjornal.pt, publico.pt, economico.sapo.pt

OSPF: Vizinhanças e Eleição do DR e do BDR

É com certeza uma grande dor de cabeça entender de principio o processo de eleição dum Designated Router (DR) e dum Backup Designated Router (BDR) quando a rede opera com o protocolo IGP OSPF.

A eleição dum DR e dum BDR é extremamente importante aqui devido ao facto de se garantir um ponto central de troca de informações de roteamento. Sem essa eleição haveria o risco de existir congestionamento das tabelas de roteamento na relação de adjacencias (vizinhança entre os routers). Falando em vizinhança dois routers apenas conseguem estabelecer uma adjacencia quando se conseguem ‘reconhecer’ dentro dos pacotes hello enviados e recebidos por eles mesmos num processo de 2 vias. Para isso sao necessarios que estes roteadores possuam a mesma area, a mesma mascara de subrede, possuam o mesmo intervalo de hello e dead, as mesmas passwords e porventura a mesma MTU (Maxim Transfer Unit) embora esta possa ser contornada caso o valor em bytes nao coincida em dois extremos.

Pela Figura abaixo:

O router R8 foi eleito como DR e o router R2 foi eleito como BDR. O processo de eleição dum DR e dum BDR num determinado segmento ocorre conforme uma serie de regras, a saber:

– O router com maior prioridade é eleito como o DR. O com a segunda maior prioridade é eleito o BDR.
– Se a prioridade que é um valor que vai de 1 a 255 nao for definida com o comando ip ospf priority [valor] entao o router seta um valor default que é 1.
– Se um valor 0 for indicado com o comando ip ospf priority 0 entao o router nao participa do processo de eleição.
– Se a prioridade for igual em todos roteadores entao:
– A RID (RouterID) do router é utilizada. A RID pode ser configurada pelo comando >router-id [id]. Se não for:
– O maior endereço configurado numa interface loopback (RID) faz com que esse router seja indicado como DR.
– Se nao existir uma interface loopback configurada com endereço, entao o maior endereço configurado numa interface fisica faz com que o router que a possua seja eleito como DR.

Um outro exemplo (retirado dum exame CCNA):

The routers in the diagram are configured as shown. The loopback interface on router R1 is labeled as lo0. All OSPF priorities are set to the default except for Ethernet0 of router R2, which has an OSPF priority of 2. What will be the result of the OSPF DR/BDR elections on the 192.1.1.0 network? (Choose two.)

a)R1 will be the DR
b)R1 will be the BDR
c)R2 will be the DR
d)R2 will be the BDR
e)R3 will be the DR
f)R3 will be the BDR

A questão aqui é muito simples. Devemos pensar em segmentos. Como o router R2 possui prioridade 2 entao ele será sempre o DR (resposta c). Surge a questão do BDR. No segmento R1 -> R3 como R1 possui uma interface loopback configurada entao R3 será o BDR (resposta f) em relação a R2 (que encontra-se no segmento R1 -> R3) e a R1.

Yet another config guide to basic Cisco equipments?

Ja tinha visto esse tutorial (bastante grande por acaso) que dá uma geral na configuração de equipamentos de redes Cisco e uma geral nas tecnologias e alguns padrões (composição de cabeçalhos, protocolos, padrões) além de ter também algumas questões de resumo. Um bom guia inicial.

OBS: Em tugues

Os numeros do SNNAngola. 2 anos de posts

Bem, no passado dia 20 de Fevereiro o blog SNNAngola passou a ter 2 anos de existencia. E com esses 2 anos de existencia podemos dizer que os objectivos preconizados ainda nao foram alcançados: Divulgar as T.I em Angola e personalidades de T.I em Angola.

O caminho naturalmente é longo e dificil mas é também prazeroso. Muito por causa dos feedbacks que tenho recebido. E não sao apenas feedbacks por email, já aconteceu até na rua e mesmo na universidade onde ja fui questionado acerca da posse do blog.

É claro que este blog em termos de conteudo tecnico ainda deixa muito a desejar, mas como disse era melhor que também existisse mais colaboração por parte de quem esteja interessado (mesmo reconhecendo que ser blogger em Angola ainda é tabú)

Temos por isso números a divulgar durante estes 2 anos:

Total de visualizações  até ontem (11/02/2010):

139.614

Outras estatisticas

Artigos: 793

Comentários: 480

Categorias: 62

Tags: 1.746

Por ultimo temos de agradecer a todos os fieis visitantes deste blog entre os quais se incluem muitos Angolanos e também diversos estrangeiros (principalmente do Brasil) sem vocês este blog não teria sentido.