Google Maps GPS Navigation finalmente disponível para Angola

Da utilidade do Google Maps nem adianta mais debruçar. O que não se entendia mesmo, era porque razão não era possível receber sugestões de voz sobre rotas em tempo real em Angola e diversos países Africanos, tendo como base, origem e destino, não usando as antenas de radio-frequência das operadoras telefônicas, mas sim o apurado GPS.

É uma tecnologia duma utilidade incrível. Uma vez dessas na Europa, vem um turista ter comigo a perguntar sobre uma rua que ele nao conseguia localizar com um mapa de papel, daqueles altamente confusos, onde você não sabe se esta a subir ou a descer, enfim. Perguntei a mim mesmo como era possível em pleno seculo 21 em plena Europa, e com um recurso como o Google Maps GPS Navigation acontecer aquilo. Para mim so podia mesmo ser por uma especie de nostalgia ou glamour Europeísta, só pode.

O Google Maps GPS Navigation te conduz aonde você deseja ir, e a margem de erro é minima.

Google-Maps-navigation

Google-Maps-navigation

Sim, agora com o uso deste sistema de posicionamento global é possível por exemplo receber orientações de voz sobre rotas, seja andando a pé, de táxi de kupapata ou de carro próprio.

Download aqui.

Enterprise Network Simulation Platform (eNSP). O simulador de redes da Huawei

Este é mais um simulador de redes. O seu objectivo é simular redes dizem eles, complexas, alargadas e escaláveis desde comutadores a encaminhadores, no mercado enterprise, e pode ser baixado aqui. Em relação a outros simuladores é possível integrar equipamentos reais e fazer também a injecção de pacotes reais.

huawei ensp

Como não conheço muito bem a gama de equipamentos Huawei não posso adiantar muito. O certo é que esta gigante Chinesa das comunicações já está em peso, a alguns anos, servindo essencialmente o Backbone de algumas empresas publicas como Angola Telecom e algumas instituições estatais. Por isso não seria de todo má ideia encarar o desafio de conhecer mais acerca das tecnologias por ela utilizadas, já que a mesma tem também feito contratações nos últimos anos no mercado nacional. Quanto a nós, é mais uma grande iniciativa para um gigante que quer confirmar não ter pernas de barro.

Angolano Anivaldo Malungo obtém grau CCIE

Fomos hoje informados que o Eng André Anivaldo Malungo acaba de ser aprovado no dificílimo e conceituado exame Cisco CCIE R&S (Cisco Certified Internet Expert Routing and Switching) nos EUA.

André Anivaldo e o renomado instrutor Narbik Kocharians

André Anivaldo e o renomado instrutor Narbik Kocharians

Desta forma, este meu antigo colega de carteira, junta-se a um leque restrito de experts mundiais em computer networking que ostenta este grau, considerado o mais reputado, a nível mundial. Em Angola já são 3 (três). 2 (dois) Angolanos e 1 (um) Brasileiro.

O seu exame é de tal forma complexo, que são necessários 3 (três) exames teóricos e um exame prático (Laboratório) de 8 (oito) horas que apenas pode ser realizado em poucas cidades (San José, Dubai, Bangalore, Bruxelas, Hong Kong, Tokyo, Sidney etc) ou em alguns laboratórios moveis que circulam pelo mundo. A taxa de aprovação deste exame a nível mundial, na primeira tentativa é de apenas 5 a 10%. Apenas 1% dos profissionais de redes de computadores a nível mundial possuem tal certificação.

Isto significa que os nossos irmãos Angolanos se tem saído bem, até agora (são mesmo ‘rijos’ lol).

Nós SNNAngola apenas temos a dizer que é mais um quadro que está aí para o mercado, com esforço e dedicação próprio conseguiu lá chegar.

E você? Conhece mais algum CCIE Angolano? Não exite em contactar-nos (snnangola at yahoo.com.br)

 

Porque o pessoal nao gosta da SOPA, mas do mercado dos ‘Congolenses’

Sinceramente, eu sou daqueles que pensa que já basta o tempo de impunidade em relação a distribuição de conteúdo de midia especializada. Ninguém, mas ninguém mesmo quer gastar milhões de dólares na produção dum filme e ver ele ser distribuído de forma anárquica a milhares de destinos sem ninguém pagar nada por isso. É injusto, é contra a força produtora do trabalho.

As produtoras de filmes adoptaram um esquema de roda-los pelos grandes cinemas e só depois de meses vender em formato DVD ou Blu-Ray. No caso da industria de musica o problema é mesmo alarmante. Em Angola foi adoptado o modelo de venda em praças e parques. É um modelo inteligente que permite uma certa ‘justiça’ para quem trabalhou duro na produção do seu trabalho musical. O problema é que ela já sabe que no dia seguinte a mesma vai estar disponível no mercado paralelo. Quem tiver duvida basta passar pelo mercado dos Congoleses (ou Congolenses, sei lá).
O que se passa ali é do piorio. A pirataria ali é lei e recomenda-se. Sei por experiência própria o que digo. Passei praticamente 4 anos diariamente por alí, porque era caminho da faculdade e do trabalho e já sabia que se o Matias Damásio lançou o disco no DOMINGO, na SEGUNDA de manha quando por ali passava, ja lá estava o CD, por pasmemo-nos… meros 100 kwanzas.
Alguém já pegou num papel e numa caneta para tentar saber quanto os artistas ganham e perdem (por dia, mês, ano) com a pirataria ali praticada? Ta ali um trabalho que poderia interessar a um graduando na área das economia e gestão (estou te dando uma ideia e você nem me vai dar nada).

Voltando ao assunto. Ali nos Congolenses, não propriamente dentro do mercado, mas ali fora próximo a estrada de Catete, podem ser encontrados discos de filmes, musicas, novelas, jogos para consolas etc, até entretenimento em formato K7 (não vá aparecer também em BETAMAX hehe).

No mercado dos Congoleses e nas redondezas, a venda de discos piratas rende mais que a venda de carne e peixe.

Mas isto já para não falar que agora até mesmo, canais de distribuição ONLINE garantem disponibilizar discos de cantores Angolanos horas depois de serem lançados nas praças e mercados de sei-la’o-que.

Tudo isto é perigoso e representa uma ameaça ao mercado, não duvidemos, essa é a verdade e ninguem a pode negar. É necessário fazer algo para parar por isso. O cantor Angolano Dog Murras acordou as 5h da manha, para impedir a venda de um de seus discos no mercado do Roque Santeiro. Foram encontradas a apreendidas centenas de copias do mesmo disco já prontinhas para serem distribuídas no ‘mercado negro’.

É verdade que essa é uma estratégia que não resulta quando se trata da Internet. Aqui é necessária uma outra estratégia. Não uma estratégia de dissuasão como a SOPA (Stop Online Privacy Act) , mas uma estratégia de aproximação, que combine com a aplicação de diversos padrões tecnológicos que permitissem a rápida aproximação do cliente final ao conteúdo musical. O Itunes e o Netflix são exemplos bem aplicados do que se espera disso.

As grandes produtoras mundiais sabem que de nada adianta lutarem contra a distribuição anárquica de conteúdo, seja no mercado paralelo de Luanda, ou no Cameló do Rio de Janeiro. É inútil, o que elas querem é controlar os seus conteúdos na Internet. Ali sim para elas se faz a diferença, porque estão envolvidos milhões de dólares em divisas.

O SOPA falha porque pretendeu ir longe de mais. Imagine ir preso e ainda possibilitar que uma autoridade derrube um site ou o feche só porque você fez um vídeo do seu bebé com uma musica de fundo do Sean Kingston e postou no Youtube? Isto sim é ir longe demais. Uma coisa ilegal seria sim postar um vídeo do próprio Sean Kingston sem autorização da produtora dele. A produtora tem todo direito de decidir o que pode ou não pode ser divulgado e quanto quer ou não quer ganhar pelo que produziu.

Eu defendo que exista alguma lei sim que regule a distribuição de conteúdo via Internet, mas que não seja como a SOPA, porque esta SOPA tem alguns ingredientes que sabem a pouco.

Biografia: Joaquim Macedo

Segundo, contando a partir do canto superior esquerdo.

Formação: PhD, Universidade do Minho.
Áreas de Interesse: Comunicações por Computador e recuperação de Informação.

Professor assistente no Departamento de Informática da prestigiada Universidade do Minho, Portugal. Pertence ao Grupo de Comunicações por Computador, leccionando cadeiras de Sistemas Telemáticos, Telemedia e Comunicações por Computador I, esta ultima em programa de mestrado.
Professor da UCAN, leccionando as cadeiras de Multimedia e Bibliotecas Digitais do curso de Engenharia Informática.

Em Angola: Facebook continua a crescer a ritmo impressionante

Na ultima analise que realizamos em Agosto de 2010 tinha-se verificado que em 8 meses o Facebook teve um crescimento percentual de 46%. Voltamos a fazer uma analise de Setembro de 2010 a 12 de Maio de 2011. os resultados são impressionantes:

Angola possui neste momento 132.880.00 usuarios no facebook, o que representa um crescimento percentual de 106,3%. Se continuar a crescer a este ritmo (e acreditamos que vai crescer mais) é provável que em 1 ano e 6 meses (deverá levar menos tempo) o Facebook ultrapasse o Hi5 que parou de crescer em Angola.

GLOBALCOM discutirá Telecoms

A 17 e 18 de Maio de 2011 em Luanda ocorrerá a segunda edição do evento GLOBALCOM com um conjunto de conferencias e exposição, além de 2 seminários gratuitos. Alguns dos maiores players do mercado estarão presentes como empresas participantes ou com executivos que serão oradores. Alguns dos temas discutidos serão:

• Estratégia Regulamentar e Reforma Estrutural
• Privatizações, Aquisições e Licenças
• Desenvolvimento de Infra-Estruturas
• Expansão da Fibra Óptica
• Tecnologias Wireless,WiMAX e Serviços de Valor Acrescentado
• Desenvolvimento de Internet e Banda Larga: ADSL, Cabo, EV-DO, 3G, Mobile
• Tendências, Possibilidades e Perspectivas de Convergência
• Sustentabilidade Energética
• Interiorização Rural dos Serviços
• Media Broadcasting
• ARPU Trends
• Estratégias de Marketing para Multiplicar e Reter Clientes

Mais infos podem ser encontradas no endereço abaixo:

http://www.globalcomangola.com