Quer construir seu proprio ‘roteador’? Use o NetFPGA

NetFPGA é um projecto da universidade de Stanford que pretende disponibilizar sobre uma placa PCI um dispositivo que possui capacidades de comutação e encaminhamento. O objectivo é disponibilizar uma plataforma de hardware com um custo acessível que possibilite realizar experimentos laboratoriais interessantes, que permitirão realizar inovações importantes no domínio das redes de computadores.

NetFPGA

O hardware é interessante (por exemplo, para o NetFPGA Xilinx Virtex-II Pro, que não sei se ainda está disponível):

  1. 4 portas RJ45 Gigabit Ethernet
  2. 4.5 MB de memoria SRAM
  3. Padrão PCI
  4. DDR2 DRAM
  5. 2 processadores Power PC

As possibilidades de ‘brincar’ em cima disso são super-interessantes, desde a implementação de QoS boxes inteligentes que respondem e tomam decisões independentes em relação ao fluxo de tráfego, até a Firewall’s boxes especificamente destinadas ao combate de ataques DDoS, backup de balanceamento de carga, replicação e virtualização de redes, etc, etc.

Referencias

http://packetlife.net/blog/2010/jul/23/building-your-own-router-netfpga/

Rack Unit: 1U

Um projetista de redes precisa nao apenas de entender os aspectos logicos duma rede, mas tambem de ser capaz de projectar a infraestrutura da mesma de modo a acolher futuros crescimentos ou equipamentos. As racks ou armarios fazem parte deste processo e podem ser facilmente identificadas pela unidade rack unit ou U (1U) que mede o tamanho vertical dos equipamentos montados na rack. Um 1U equivale a 4.45 no SI e 1.75 polegadas no sistema Americano.

É normal encontrar racks da APC de no maximo 48U para servidores ou de 24, 25U, etc, dependendo da sua necessidade.

O que sao: CSU/DSU, DTE e DCE?

Bom. Realmente com a falta de laboratórios e muita teoria, não raro muitos estudantes de networking aprendem conceitos teóricos e deixam de lado teorias importantes. Um técnico ou engenheiro não pode mais usar termos populares. Tem de entender os termos técnicos e saber usa-los quando for vender o seu ‘peixe’.

DTE – Data Terminal Equipment ou equipamento de terminação de dados. Como o nome diz é o equipamento onde os dados terminam e onde também podem ser iniciados. Um DTE pode ser um computador, ou um roteador. Geralmente este dispositivo prepara a informação a ser enviada/recebida a linha de comunicação pelo usuário.

DCE – Data Communications Equipment, Data Circuit-terminating Equipment, como o nome o diz é o equipamento responsável por realizar a comunicação dos dados. Isto pode fazer alguma confusão se pensarmos num roteador do outro lado a servir como DCE como muitas das vezes pensamos.  Na verdade o DCE serve para realizar algumas tarefas importantes na transmissão de dados entre dois dispositivos como determinar a frequência de clock, a determinação dos erros de transmissão  e a codificação, enfim a definição de como se envia e como se recebem os dados. Isso significa que um DCE pode ser um dispositivo ligado directamente ao roteador ou uma interface com estas capacidades.

A razão porque você precisa de um DCE tem a ver com a mesma razão porque você precisa dum cabo crossover para ligar dois computadores directamente sem necessitar dum comutador. É necessário saber como (e que pinos tratando-se de cabos seriais) se enviam os dados, e o DCE trata disso automaticamente. Por isso é que nos laboratórios Cisco você pode usar um cabo serial padrão V35 para fazer isso:

Mas note que em se tratando de comunicação entre um computador e um modem num caso em que se usa ADSL o computador é o DTE e o modem o DCE, pelas razoes já definidas antes: Alguém precisa de dizer como os dados são transmitidos.

CSU/DSU – Está aí um termo que faz confusão a muito boa gente. Channel Service Unit/Data Service Unit como o nome sugere é um equipamento que diz ao DTE dum lado e o DCE do outro para se ‘casarem’ :

Um dado importante é que hoje em dia muitos roteadores vêem equipados com CSU/DSU nas suas interfaces WIC de modo que não mais é necessário usar um separado. De modo que a tarefa de ligar um roteador a um circuito digital tal como a uma hierarquia PDH/E1, ou a um link ponto a ponto ligado a um provedor de serviços, não precisa mais de um CSU/DSU separado do roteador como este da figura acima.

Como prolongar a vida da bateria do seu laptop, celular

Tenho acompanhado com muita curiosidade este cenario: Alguem compra um laptop novo em folha e começa a usa-lo constantemente como é de se esperar. Passados 1 ano la vem ele e diz: ‘A bateria está viciada’.

Mas viciada em quê afinal? E isso nao acontece apenas com laptops com telefones celulares também.

Bom tudo começa com as baterias mais usadas do momento: Baterias de iao de litio. Ok, o seu laptop usa uma dessas e se você nao sabe, saiba agora: Baterias de litio iao nao ‘gostam’ de descargas totais (0 na carga mesmo com perdão da bateria e tudo). Evite fazer isso, em vez disso faça descarregamentos parciais (nada de deixar a bateria a 0).

Isso significa outra coisa. Os carregamentos também nao podem ser totais, ou seja ‘enche-la’ de carga (100%). Ela nao gosta disso também. A razão disso acontecer é que pequenas descargas com subsequentes recargas nao possibilitam uma calibração precisa e necessaria para que exista sincronização entre o medidor de carga (fuel gauge) da bateria com o seu estado actual de carga. Uma forma de resolver esse problema é realizar um descarregamento deliberado e total na bateria depois de 30 recargas e calibrar a bateria.

O que se aconselha é fazer descargas e recargas moderadas. Descargas (gastar toda carga) e recargas (carregar a 100%) criam um alto estresse na bateria e devem de todo modo ser evitadas. O gráfico a seguir mostra que quanto menor a taxa de carga e descarga,maior o ciclo de vida da bateria:


Baterias de iao de litio baseadas em cobalto possuem um tempo de vida util de 2-3 anos quando bem cuidadas. Com o tempo a oxidação provocada causa resistencia interna. As baseadas em manganês mantem a resistencia interna com o aumento da idade mas perdem a capacidade em resultado de decomposições quimicas.

A perda de capacidade da bateria pode ser determinada por 2 variaveis: Temperatura e nivel de carga. Nao adianta usar um laptop dentro duma siderurgia numa sala sem AC e depois reclamar, nao tem qualquer sentido:

Naturalmente ja se pode perceber que uma bateria demora menos em Cartum que em Menongue (RISOS).

Se você ainda nao percebeu o que se quer dizer entao vamos dizer assim: Nao use o seu laptop com a bateria e a corrente de distribição da EDEL (Ou SONEF se você vive no Cazenga) pois ela vai durar apenas entre 1 a 1 ano e meio (são labs stats). É engraçado que tenho dito isto a muita gente e nem acreditam.

Outro coisa que baterias nao entendem bem é o nivel de voltagem (nao vamos andar com UPS na mochila, nê?) Algumas baterias podem apenas receber 4.2V por celulas. Quando esse valor passa desse threshold olha o que acontece: Uma relação de inversa proporcionalidade logo com quem? Logo com o ciclo de vida. Ou seja aumenta o nivel de voltagem acima do valor limite permitido, diminui o ciclo de vida da bateria:

Mas é engraçado que quem se depara com essa situação até ri e gosta. Porque a performance do computador aumenta e de que maneira, por causa do aquecimento da bateria.O aquecimento da bateria provoca uma diminuição da Resistencia Interna da mesma. Quando a bateria volta a ficar fria a RI aumenta e volta tudo ao normal (euee!!!). Quem vive de puxada que se meta a pau.

Fica atento:

Evite descarregar totalmente a bateria.

Calibre a bateria depois de 30 recargas.

Mantenha a bateria num bom ambiente. Um ambiente fresco. Uma mudança para o Polo Norte não seria má ideia. Quem trabalha em siderurgia esqueça laptops.

Nunca use bateria com corrente ligada a tomada. Só não se esqueça de guardar seu trabalho.

Nada de comprar baterias usadas. Ainda que seja baratucha nao mao daquele cidadao que gosta muito meter a mao nas coisas dos outros.

É recomendavel na maioria dos casos manter a bateria a 40% de carga. Nunca a 100%

Fonte: How to prolong lithium-based batteries.

Os 10 melhores Mouses de 2008 (por categoria)

Enquanto o meu pequeno rato ASUS que veio com o meu notebook continua a me satisfazer, um grupo de aficcionados por Mouses continua a deliciar-se com diferentes tipos destes perifericos. Alguem resolveu criar uma lista com os melhores Mouses do ano 2008 divididos pelas categorias de generalista, jogos, ergonomico e notebook

Projecto Arduino: Microcontrolador livre e de qualidade

É uma pergunta que o pessoal da Wired faz, por responder com um belissimo artigo onde mostram como o microcontrolador Arduino um projecto Italiano pode ser um passo neste sentido. É que todas as suas especificações estao disponiveis a qualquer um que desejar modifica-lo. Também foi criada uma linguagem de programação para este microcontrolador livre que reclama para si em numero de unidades vendidas cerca de 50.000.

Você pode optar por compra-lo ou entao quem sabe criar o microcontrolador a partir do 0 (se estiveres com aquela disposição).

Melhor do que isso tudo, existe um artigo da wired que explica passo a passo como começar passo a passo se quiser programar e usar microcontroladores. Note que o preço do Arduino também é mais acessivel que outros microcontroladores.