VLSM (Variable Lenght Subnet Mask). Aprenda como fazer

Está longe de ser um tema de fácil aceitação para tecnicos de rede iniciantes, no entanto quando bem dominado torna-se uma materia interessante e de fácil trato.

Ferramentas: Um papel e algo que escreva.

O VLSM surgiu da necessidade de mais uma vez otimizar-se o espaço de endereçamento disponivel. Quando combinado com endereçamento privado provê aos administradores de rede uma maneira fácil de distribuir endereços publicos. Para endereçamento público, uma empresa como a TPA por exemplo recebe um ou mais blocos de endereços e a partir daí pode usar VLSM para endereçar as suas repartiçoes por todo país.

Então vamos a um exemplo prático. embora ficticio (usei um bloco privado). A rede de supermercados Nosso Super recebeu o bloco de endereços 192.168.2.0/24 para endereçar 3 edificios:

1 Armazem com 50 hosts em Cacuaco
1 Armazem com 28 hosts em Viana
1 Escritorio com 15 hosts

Note-se qe os armazens ligam-se directamente ao escritorio por links Ponto a Ponto. Então estes também necessitarão de ser endereçados:

4 Interfaces Seriais são 4 endereços IP

A Fase de Endereçamento

Comecemos então pela subrede com maior numero de endereços (50) o de Cacuaco:

50 <= 2^6 (50 <=64)
32-6 = 26, entao a nossa subrede para os 50 hosts será 192.168.2.0/26
Logo sairemos de 0 a 64 ou 2^6, neste caso:
192.168.2.0 – Endereço de rede
192.168.2.1 – Gateway
192.168.2.63 – Endereço de Broadcast

Temos uma faixa de endereços a endereçar que sai de 192.168.2.1 até 192.168.2.62

Continuemos pela segunda subrede com maior numero de hosts (28) a de Viana:

28 <= 2^5 (28 <=32)
32-5 = 27, entao a nossa subrede para os 28 hosts será 192.168.2.64/27

Logo sairemos de 64 a 64+32(2^5) = 96 ou , neste caso:
192.168.2.64 – Endereço de rede
192.168.2.65 – Gateway
192.168.2.95 – Endereço de Broadcast

Avancemos para terceira maior rede, a de 15 hosts (Escritorios):

15 <= 2^4 (15 <=16). Nao chega. Falta um endereço de host. Então:
15<= 2^5  (15<=32)
32-5 = 27, entao a nossa subrede para os 15 hosts será 192.168.2.96/27

Logo sairemos de 96 a 96+32 = 128 ou , neste caso:
192.168.2.96 – Endereço de rede
192.168.2.98 – Gateway
192.168.2.127 – Endereço de Broadcast

Avancemos para a configuração dos nossos links Ponto a Ponto. Primeiro o Viana-Escritorio:

2 <= 2^2 (2 <= 4)
32-2 = 30, entao a nossa subrede para os 2 links será 192.168.2.128/30

Logo sairemos de 128 a 128+4(2^2) = 132 ou , neste caso:
192.168.2.128 – Endereço de rede
192.168.2.129 – Primeiro link
192.168.2.130 – Segundo Link

De seguida para a configuração dos nossos links Ponto a Ponto. O Escritorio-Cacuaco:

2 <= 2^2 (2 <= 4)
32-2 = 30, entao a nossa subrede para os 2 links será 192.168.2.132/30

Logo sairemos de 132 a 132+4(2^2) = 136 ou , neste caso:
192.168.2.132 – Endereço de rede
192.168.2.133 – Primeiro link
192.168.2.134 – Segundo Link

Teremos então a nossa rede endereçada da seguinte forma:

vlsm2

Endereçamento IP Básico III. CIDR e VLSM. Que diferenças?

Boa pergunta. É bem verdade que estes dois termos causam alguma confusão. Um amigo fez-me esta pergunta e eu para o responder com clareza disse a ele:

O CIDR trabalha da direita para a esquerda e o VLSM da esquerda para a direita.

Embora a afirmação acima possa ser discutida nao está muito longe da verdade. Na realidade já falei de CIDR aqui embora não tenha dito. Mas vamos por partes:

CIDR –  Classless Inter Domain Routing. Foi a tecnica encontrada para se combater o disperdicio de endereços. Como já referi na materia cujo linka apontei acima, desnecessariamente uma empresa que recebesse um endereço de classe A tinha um numero de endereços IP muito grande quando não precisava de tal número. Com o CIDR nao importa a classe para se determinar o número de endereços necessarios. Importa sim a quantidade necessaria. Daí que o uso dum prefixo que indica o numero de bits da mascara de subrede e nao da representação em decimal foi uma solução encontrada para possibilitar um melhor entendimento nos calculos de endereçamento. Por exemplo 192.168.1.1/255.255.255.0 pode ser representado por 192.168.1.1/24. Se ainda possui duvidas sobre isso leia o primeiro artigo.

Existem tabelas de consulta que permitem analisar como todo processo funciona e facilitar nos calculos. Agora, eu nao recomendo o uso delas, acho completamente desnecessario, e depois você um dia entenderá porque eu digo isso, pois espere para ver IPv6 e perceberá. Uma dessas tabelas segue abaixo:

VLSMVariable Lenght Subnet Mask ou mascara de subrede de tamanho variavel. É uma das outras tecnicas que apareceram para tentar salvar o espaço de endereçamento. Basicamente o seu conceito é simples:
Dentro duma subrede é possivel criar outras subredes. Por exemplo, a uma determinada rede é entregue o seguinte endereço: 192.168.3.0/24. Pede-se em seguida que a partir deste endereço crie-se 5 subredes nomeadamente 3 subredes com 30, 20 e 10 hosts além de mais 2 subredes com 2 endereços cada para albergar ligações ponto a ponto.

Este será o nosso proximo assunto e usarei um diagrama para melhor explanação.