WannaCry: As razões por detrás de um RansomWare

Os motivos não poderiam ser mais graves que os enfrentados hoje. Um poderoso vírus se espalha a uma impressionante velocidade e em força. Sequestra computadores, e sim!! Evitamos mesmo as aspas, porque ele sequestra mesmo. Obrigando as suas vitimas ao pagamento duma especie de coima em Bitcoins a moeda virtual digital criada por uma figura que de tão sinistra até faria o grafiteiro Britânico Banksy morrer de inveja.

Vírus que sequestram os dados dos computadores e pedem resgates, os chamados RansomWares, não são uma novidade, existem aos montões. Em Angola, pelo menos em uma vez pediram-me que auxiliasse uma situação desse tipo. Não são tão vulgares por aqui. Os seus criadores querem dinheiro e por isso escolhem a dedo os seus alvos. Africa, com excepção da Africa do Sul, não é ainda um mercado bastante atrativo. O seu burocrático sistema financeiro não facilita os pagamentos que os seus criadores tanto anseiam.

Este tipo de ameaça parece ter surgido na Russia por volta do meio da década de 2000. A principio as primeiras versões limitavam-se a comprimir arquivos selecionados, subscreviam os originais e pediam um resgate em que a contraparte (vitima) voltaria a ter acesso aos seus documentos por meio dum pagamento de algumas centenas de dólares. Consumado o pagamento, a vitima teria então acesso a password dos ficheiros sequestrados em formato .zip.

Ora, não e que isto começou por se revelar um bom negocio? Foi a isca necessária para que jovens talentosos e desempregados das nações da Europa do Leste, incluindo Romênia e mais um pouco pelo Médio Oriente, abrangendo a Turquia, encontrassem ali o ganha-pão que tanto ansiavam, esgotado que se mostrava o ‘modelo antigo de financiamento’ através de invasão a bancos, sistemas financeiros e afins. Sabe-se que estes últimos estavam cada vez mais a sofisticar-se e a ganhar experiencia de combate contra hackers.

Com as mentes brilhantes a funcionar e a enveredarem pelo ‘negocio’ era só uma questão de tempo para que se notassem esquemas de sofisticação intrigantes.

O surgimento dos Police Ransomware

Os métodos de massificação de infecção das vitimas por RansomWare contam sempre com uma modalidade não técnica, mas sim psicológica do hacking, conhecida como engenharia social. Nela as vitimas são induzidas a realizarem uma acção por meio duma mensagem falsa (fake news) e geralmente com conteúdo sensacionalista, alarmante ou gratificante.

simple-ransomware-infection-chain-1-1

Esquema de infecção por RansomWare

O uso de correio eletrônico falso não é uma novidade, mas estes hackers sabem que os usuários estão cada dia mais sensibilizados com o que recebem na caixa de correio eletrônico. Neste contexto, preferiam agora camuflar-se na capa de quem eles sabem que os usuários confiam. Não era raro por isso, invadirem servidores de correio eletrônico, sistemas de e-mail marketing e até websites de comercio eletrônico, onde disparavam landing pages contendo links para arquivos maliciosos, ou explorando falhas de segurança de browsers. Sao conhecidos casos de lojas de comercio eletrônico de grifes de luxo invadidas para esse fim. O mote não eh nada inocente. Eles sabem aonde encontrar quem tem poder financeiro, bastando para isso usar métodos de Geolocation das API’s (Application Programming Interfaces) de seu interesse e assim produzirem a mensagem correcta na língua nativa da vitima.

O aparecimento dos CryptoLocker’s e dos Crypto-ransomware’s

Rapidamente os sistemas de antivírus e antimalware tornaram-se mais eficazes no combate a este tipo de pragas, e os sistemas eram recuperados com alguma facilidade. Bom, foi exactamente isso que motivou o aparecimento dos CryptoLockers, algo bem diferente dos primeiros RansomWares que comprimiam os ficheiros em formato .zip com password, este facilmente desbloqueável.

Os CryptoLockers por seu lado usam criptografia forte e possuem uma certa parte vingativa. Ora, se o RansomWare é apagado, nada garante que os dados serão recuperados, porque estes estão encriptados com criptografia assimétrica, o que significa que existe uma chave para encriptar os ficheiros sequestrados e outra para desencriptar os mesmos ficheiros. Essa variante é bastante agressiva. Se um antivírus apaga o RansomWare, o que eh expectável, o RansomWare activa um contador regressivo no wallpaper do ambiente de trabalho ou uma janela de Graphical User Interface (GUI) do computador . Se a vitima durante esse período (que podem ser alguns dias) não realizar um determinado pagamento dum determinado montante, simplesmente perde a possibilidade de recuperar os ficheiros a menos que consiga desencriptar os ficheiros encriptados com algoritmos RSA e AES+RSA (criptografia simétrica), dizem que com chaves a 2048 bits. Isso exigiria um poder de computação brutal, só acessível a centros de computação e agencias de segurança, embora alguns fabricantes de antivírus têm liberado algumas ferramentas para tal. Ora, neste caso um antivírus é inútil. O sistema não esta mais infectado, contudo, a vitima tem todos os seus ficheiros (word, excel, txt, ppt, vídeo, musica etc) bloqueados porque estão encriptados.

A sanha chega a tanto que o Wallpaper ou a mensagem do GUI do RansomWare recomenda mesmo a reinstalação do já detectado e apagado RansomWare para conseguir realizar o pagamento, sob pena da perda definitiva da possibilidade de recuperação da chave de desencriptação, findo o prazo de pagamento do resgate.

Bitcoin, a CryptoMoeda

Para evitarem riscos de rastreamento em pagamentos de resgate recebidos e rastreados pelo sistema financeiro mundial, os Hackers começaram a preferir pagamentos em CryptoMoedas (CryptoCurrencies), um tipo de dinheiro digital e encriptado, conhecidas como Bitcoins (BTC). Em Janeiro de 2016 1 BTC equivalia a 431 U$D. Em Março de 2017 já tinha valorizado a 1.082,55 U$D.

WannaCry, um novo paradigma?

Para mim a resposta é um retumbante não. Não existe nada de novo no WannaCry que possa suscitar nos especialistas um grande alarme, a não ser o facto de que temem perder o emprego por terem as redes desprotegidas negligentemente. Sabe-se que esta versão de RansomWare tem estado a infectar milhares de computadores pela Europa, Estados Unidos e America do Sul, contudo, ainda não se sabe a sua origem, nem os motivos por detrás. O que se sabe, isto sim, é que ele tira proveito duma falha do Windows para ganhar privilégios de execução ou de técnicas de infecção por e-mail, e se replicar pela rede interna por meio da exploração duma falha conhecida no protocolo SMB do Windows.

Wana_Decrypt0r_screenshot-1

A tela GUI do Vírus WannaCry

Ora, o que espanta aqui é que estas técnicas eram também utilizadas por algumas ferramentas da Agencia Nacional de Segurança dos EUA (NSA), por isso se supõe que elas poder ao estar em mãos alheias.

A existência de ferramentas automatizadas de ataque não é algo propriamente novo no mundo do hacking. Desde o inicio dos anos 90 que elas começaram a ser criadas, primeiro por Wietse Wenema e Dan Farmer, depois a Federal Bureau of Investigation (FBI) com o tenebroso farejador de pacotes Carnivore que desenvolveu-se para algo mais sofisticado com o conceito PRISM da NSA. O inicio dos anos 2000 foi a galinha dos ovos de ouro desse mercado com o aparecimento duma amalgama deles, dos mais eficientes aos mais óbvios, a maior parte a explorar falhas de segurança no Windows. As ferramentas da NSA apenas vieram a tona por meio das revelações do ex-espião Norte-Americano Eduard Snowden, entretanto foragido em Moscovo.

A culpa não pode morrer solteira

O admirável neste imbróglio é a revelação espantosa, que grandes instituições como Portugal Telecom, EDP, Ministério do Interior Russo, Hospitais Londrinos e tantas outras tenham se deixado infectar porque mantinham em funcionamento computadores sem as actualizaçoes de segurança. Ora, vejam só!! Actualizar computadores em rede é tao só mais difícil quanto são as burocracias do pessoal da administração da rede, descansadinha na tipoia dos antivírus e firewalls de borda, esquecendo por completo o usuário final, este muito mais vulnerável a actividades de crimes informáticos. De nada adianta proteger a fronteira, se o interior não esta preparado e poderia estar com uma simples actualização do sistema já a muito disponibilizado pela Microsoft. No entretanto é de notar o diminuto grau de infecção por parte de usuários singulares do Windows, o que pode ser explicado primeiro, porque os seus sistemas se actualizam automaticamente pelo Windows Update e segundo, por causa da segmentação natural das redes provedoras de serviço.

Propagacao wannacry

Como o WannaCry se espalha na rede

Neste contexto, a culpa não pode morrer solteira. Não se pode agora acusar a Microsoft de ser o menino mal comportado. Não é verdade!! Não seria até anormal encontrar copias de Windows piratas, mesmo havendo licenças disponíveis e compradas, mas que por mero capricho não foram simplesmente actualizadas. Usar copias piratas do Windows é uma faca de dois gumes. Você não tem garantia de nada, nem de reclamar com o fornecedor.

Esquemas de protecção

Proteger-se pode ser tao simples quanto a simples capacidade de nos vermos vitimas dessa situação. Isto é como na vida real: A não ser que exista uma catástrofe e elas acontecem, nunca devemos descurar os cuidados básicos: manter o sistema actualizado, não baixar arquivos potencialmente danosos, usar um browser seguro como o google chrome, não usar sites de compartilhamento duvidosos, manter um bom antivírus sempre actualizado. Para os administradores de rede, devem manter restrições ao protocolo SMB, ou corrigir as falhas dele nos dispositivos finais, devem procurar segmentar a rede por meio de VLAN’s, activar as rules adequadas nos sistemas de deteccao de intrusos (IDS) e configurar correctamente os firewalls de borda.

PRISM: Isso é alguma novidade?

Não tenho duvidas que já não adianta falar mais sobre o PRISM, porque quase tudo já foi revelado a imprensa sobre ele. Sua capacidade de aceder facilmente aos dados pessoais de quem quer que seja com um ou dois cliques no rato, espantariam até pessoal optimista da craveira de George Orwell.

O PRISM é ‘abastecido’ de informações de diversas fontes diferentes

No entanto, muito mais do que ficar espantado com o PRISM, fiquei mesmo, sim admirado, com o espanto das pessoas perante revelação da existência de tal programa. É que ao que consta daquilo que venho acompanhando desde 2000/2001, o PRISM já existia, embora parece que com outros nomes, ou seja os EUA sempre tiveram os seus sistemas de vigilância electrónica.

Vamos então a uma resenha, se você esqueceu, provavelmente lembrará da maior parte deles:

1 – FBI Carnivore

Esse sistema de vigilância electrónica deu que falar no inicio de 2000. Tratava-se entretanto de algo bem ‘simples’. Um computador com Windows NT ou 2000 e um software farejador de pacotes em modo promiscuo (ou seja, ‘recebia’ tudo) que ficava estrategicamente posicionado nos provedores Internet de interesse da vigilância do FBI. Como eram muitos dados a serem recebidos em submúltiplos de segundo, o software actuava como um classificador de dados, armazenando e descartando informação. Essa forma de actuação do software, bem como o facto de ter sido revelado a imprensa fizeram o FBI descontinuar o seu uso.

A repercussão dele foi tanta que tive um colega em 2001 que dizia de pés juntos que conhecia pessoas em Luanda que usavam o Carnivore. Claro que o colega estava a viajar, mas deu para medir o impacto da informação sobre o Carnivore (também, com um nome desses?).

2 – Prosecutor’s Management Information System (PROMIS)

As informações sobre o PROMIS são tão movie style que até hoje me pergunto se realmente chegou a existir. Em 2000/2001 dizia-se que era um software que podia saber o numero da sua conta bancaria, e rastrear suas transacções financeiras em qualquer parte do mundo, aliás este foi o objectivo numero um da sua criação. Diz-se dele que não dependia da Internet para transmissão dos dados colectados, mas sim, ficou teorizado que o PROMIS era vendido e introduzido nas empresas alvo juntamente com hardware. Este ultimo tinha instalado secretamente um sistema de transmissão dos dados recolhidos via espalhamento espectral, o que até faz todo sentido, porque quem leu um bocado de técnicas de modulação CDMA sabe que o sinal aparece como ruído e os códigos de espalhamento pseudo-aleatórios tornam difícil a interpretação da informação.

Entretanto, entre informações ‘enroladas’, como por exemplo, aquele que dava conta que Bin Laden tinha uma copia dele (é, vocês devem lembrar do ‘computadorzeco’ encontrado em Abbottabad, lol), praticamente nunca foram confirmadas, por fonte oficial. Hoje já quase que não existem pessoas interessadas em falar sobre ele.

3 – National Security Agency (NSA) ECHELON/Five Eyes/UKUSA

Esse é o único que eu acredito que podia existir. Trata-se já, dum sistema de maior dimensão e com uma abrangência geográfica bastante interessante, passando pelos USA, UK, New Zealand e Austrália. Diz-se dele como um conjunto de sistemas SIGINT (Signal Intelligence) capazes de interceptar comunicações que envolvam transmissões radio, fax, email e web. Para isso beneficia-se de estar  instalado estrategicamente e com recursos tecnológicos de elevada capacidade de intercepção via rádio e via sistemas de comutação de provedores de telefonia e Internet.

File:120715 Grondstation Nationale SIGINT Organisatie (NSO) Burum Fr NL.jpg

Por outro lado, poderosos filtros que actuam em tempo real conseguem classificar a informação de forma mais apurada e ‘disparar alarmes’ para interceptores, escutas e gravadores de dados e voz. Essas características fazem dele algo diferente do ‘modesto’ Carnivore.

4 – National Security Agency (NSA) PRISM

Os anos foram passando, veio o 11 de Setembro, o nível de vigilância electrónica aumentou, mas sobretudo também, apareceu um novo conceito da utilização da Web: As redes sociais. A quantidade de informação que essas redes começaram a gerir era dum espanto brutal. Sempre se disse, e sempre se desconfiou que Microsoft, Google, Facebook, etc, entregavam dados de quem quisessem a quem ‘de direito’ pedisse. Essas informações nunca foram confirmadas por essas empresas e até hoje mesmo com o escândalo do PRISM e que envolve também um outro escândalo recente envolvendo escutas na telefónica Verizon, continuam veementemente a negar qualquer envolvimento. E nós estamos a falar de volumes de dados completamente ‘galácticos’. Só o Facebook possui mais de 50 biliões de fotos e 1 bilião de utilizadores. O Google transacciona milhões de comunicações e pedidos por segundo, portanto gerir e interpretar isto não é brincadeira de crianças. Ou pelo menos não era até a bem poucos anos, porque de um tempo a esta parte foram sendo feitos avanços importantes na interpretação de dados, reconhecimento facial e reconhecimento de voz, ao ponto de termos disponíveis em dispositivos domésticos como Smartphones e televisores inteligentes. São esses avanços que permitiram a  Edward Snowden sentar na sua cadeira na sede da NSA e saber da vida de quem ele quisesse saber, sem supervisão de ninguém.

No meu entender só pode se espantar com essas informações quem tem algo a esconder. Quem não tem nada a esconder não tem motivos para estar preocupado com o facto de existir uma rapaziada que gosta de andar ao ‘farejote’ de informações sobre a vida dos outros. Pensar que um país como são os USA se mantém de pé, sem andar ao ‘bisbilhote’ da vida alheia é pura ilusão. E vão continuar independentemente de quem reclamar disso. É a conjuntura dum sistema mundial que está no seu fim e não tarda irá colapsar.