Agregaçao de links Ethernet usando Etherchannel (I)

As redes Ethernet sempre possuiram dois problemas:

1 – Debito binário ponto a ponto constante: Isso é uma verdade, pois os padrões Ethernet (10 Base-T, 100Base-T por exemplo) cresceram sempre numa magnitude pouco variável. Isto não representa um problema quando estamos tratando de ligações na camada de acesso. Mas se estamos falando por exemplo de ligações na camada de distribuição isso representa um problema sim. Pense na época em que o padrão GigabitEthernet (1000Base-X, 1000Base-T, 1000Base-CX) não havia sido criado. Mesmo se termos em conta que o padrão 100Base-FX por já permitia transmissao por meio de fibra óptica em ligações ethernet isso apenas garantia qualidade na recepção, menos erros durante a transmissao, diminuição da atenuação do sinal e menos bits perdidos.  Não garantia aumento do débito binário.

2 – Ponto de falha único: É muito normal na camada de acesso ter uma ligação desfeita. Isso na camada de distribuição ou de Core seria um autentico desastre para a eficiência das comunicações que se exige constante e infalível, além de constituir um bom motivo para te fazerem uma fita la na empresa.

Para dirimir estes problemas foram criadas tecnologias e protocolos de agregação de links. Confesso ter ficado maravilhado quando tomei conhecimento delas. Uma destas tecnologias é a tecnologia Etherchannel da Cisco. Basicamente o que ela faz é agregar o debito binário dum conjunto de ligações físicas (de 2 até 8 ligações) entre dois comutadores e criar um canal lógico entre elas cujo débito binário é a soma de todos os débitos dos canais físicos conectados ponto a ponto.
Isto quer dizer que se você tiver 8 portas FastEthernet você terá 8x100Mbps = 800Mbps de débito binário. Se forem 8 portas GigabitEthernet (GbE) você terá 8×10^9bps = 8Gbps. Se forem 8 portas 10GbE você terá 80Gbps de débito binário.

Exemplo dum ambiente onde se pode aplicar a tecnologia EtherChannel

 

No exemplo acima tempos depois da camada de acesso, a camada de distribuição onde podemos localizar dois comutadores Catalyst 3550 e 8500/6000 ou 4000. Note a existência de quatro ligações GbE. Consegue-se um débito de 4×10^9=4Gbps. Esse é o débito para CADA UMA das interfaces conectadas. Lembre-se que este débito sem a existência do Etherchannel era de 1 Gbps para cada uma das interfaces.

Isso representa um ganho e tanto em termos de débito binário, mas também em termos de redundância. Mesmo se um link perder a conexão os outros links ainda continuarão a transmitir (mesmo significando isso uma baixa em termos de débito binario).

No próximo artigo veremos um exemplo prático de configuração de Etherchannel.

Um pensamento sobre “Agregaçao de links Ethernet usando Etherchannel (I)

  1. Pingback: Agregaçao de links Ethernet usando Etherchannel (II) « Switching News Network Angola (SNN Angola)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s