A chuva interfere nas comunicaçoes Televisivas?

A resposta é: Depende da frequencia de trabalho.

Quem só usa TPA com antena radio externa nao sentirá dificuldades. Em Luanda pelo menos quem vive no Benfica nao sente muitas dificuldades de ver a TPA sem ter antena externa. Eu também nao sentia quando o transmissor da TPA estava no Miramar.

Pelo menos por enquanto, se pretender assistir a uma emissao da TPA (já para nao falar da ZIMBO) sem interferencias e nao vive numa zona proxima a antena transmissora da TPA, entao só pode faze-lo obtendo uma antena parabolica.

E é ali onde reside o problema…

Um dos estudios da TPA

 

Com as chuvas que se abatem sobre Luanda, todos já notamos que as emissoes vao-se embora.

Pergunta-se por isso se as chuvas interferem ou nao, nas comunicacoes televisivas? A resposta é simples: Depende da frequência de trabalho. As transmissões televisivas costumam falhar quando as frequências de trabalho andam a volta não da frequência de radio, mas das frequências dos microondas a 7-10 GHz para cima. O comprimento de onda e a frequência da onda possuem uma relação de inversa proporcionalidade, significando que quando uma sobe a outra desce. Note que quem tem antena radio externa em casa, por mais chuva que caia, vai ter sempre o sinal da TPA. O mesmo não se pode dizer de quem possui uma antena parabólica. Em chuvas intensas o comprimento de onda na faixa dos 8-10 GHz  como diminui, não consegue difratar-se, passar, contornar as gotas de chuva, daí o sinal ser absorvido pelas gotas de chuva e cair.

Em enlaces microondas, uma solução, seria mudar dinamicamente para faixas de frequências diferentes, ou seja que não sofram interferências das chuvas, ou seja, abaixo dos 5 GHz. Isso teria consequências: Uma delas seria a perca de direccionalidade do sinal. Esta direccionalidade é maior na faixa dos 7 GHz. Por outro lado a alta direccionalidade do sinal faz com que o mesmo sofra perca de qualidade devido a existência de obstáculos durante o seu trajecto. Um destes obstáculos que pode afecta-lo mesmo em zonas aparentemente rurais é a curvatura da terra. Em zonas urbanas o cenário é ainda pior com existência de edifícios, etc.

É necessário também considerar que existe uma gestão do espectro electromagnético e os espectros de frequencias sao caros e custam dinheiro, logo uma operadora apenas pode-se usar o espectro ou faixa atribuída a si com uma certa potencia de emissao, para evitar violar o espectro dos outros e evitar a interferência entre as suas antenas transmissoras.

As antenas parabólicas da DSTv e até a TV Cabo por exemplo enfrentam problemas durante as chuvas. Parece piada a TV Cabo também ser afectada por isso, mas é verdade, o sinal televisivo que chega as nossas residências ao que consta (não confirmado) é recebido por Antenas Parabólicas que operam nessa faixa na estação central (ou como se chama), logo não está imune a problemas.

 

8 pensamentos sobre “A chuva interfere nas comunicaçoes Televisivas?

  1. Olá Nataniel…

    Mto boa matéria…

    Só acrescentando que embora os enlaces via satélite de banda C (3 a 6 GHz), C-Ext padrão indiano (4 a 7GHz) sofram já algumas interferências, os enlaces em Banda KU como da Zap e DSTV (11 a 14 GHz) sofrem muito mais, embora com a vantagem de antenas bem menores.

    Muito boa matéria, que me fez ter a curiosidade de pesquisar um pouco mais.

    Abraços

      • Yá…E curiosamente num curso que fiz sobre antenas, o palestrante falou da Polarização do sinal com relação ao nível do sinal. Para receber os sinais dos diversos transponders, as VSats usam a circular, e a elíptica que compensa a difracção nas gotas das chuvas. O que é muito interessante para ver as reais aplicações das polarizações que nós não damos bola nenhuma hahaha…

        Abraços

  2. Caríssimos, aqui vai o meu contributo:
    As constantes perdas do sinal quando se verifica chuva na nossa capital, deve-se a variadíssimos factores e alguns já fora explanados acima. No meu entender o As Antenas parabólicas da banda (Ku) perdem o sinal com mais frequência em relação as antenas parabólicas da banda (C), devido ao tamanho e da antena Yagui devido a sua estrutura e por ser analógica. Devido o tamanho e aqui não levando muito em conta as frequência (não se deve esforçar o satélite aumentando a frequência de descida), a Banda Ku está mais sujeita a perda do sinal, qdo o sinal é reflectido para baixo na presênça de chuva ventos fortes e nuvens carregadas, os raios caem para fora do alcance da antena (de banda KU) o seu diamétro é menor e automaticamente o ângulo de abertura da antena tbm o é. As antenas da banda (C) possuem o diametro muito maior em relação as da banda (Ku). De realçar ainda que as antenas da banda (C), estão a entrar em disuso devido o custo e o tamanho do proprio equipamento.

    Até a próxima votos de bo serão….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s